AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

indice de confiança

Os empresários gaúchos estão menos otimistas em relação ao futuro da economia brasileira, revela o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), que caiu 2,8 pontos em maio em relação a abril, atingindo 56,6, e foi divulgado nesta terça-feira (22) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). O Indicador de Expectativas atingiu 57,9 pontos e exerceu a maior influência na redução da confiança no mês. Mas, acima dos 50 pontos, segue com uma percepção positiva, apesar de em menor grau frente a abril (61,6).

O adiamento da Reforma da Previdência e a indefinição no quadro eleitoral aumentam um pouco a incerteza do industrial gaúcho em relação ao futuro da economia no País. É o que aponta o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) de abril, divulgado nesta quarta-feira (18) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). A pesquisa revela uma queda de 2,3 pontos na comparação com março, caindo para 59,4 pontos, o que indica que os empresários ainda estão confiantes, mas menos do que no mês anterior.

Após uma sequência inédita de altas que vinha desde julho do ano passado, o Índice e Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), permaneceu praticamente estável de fevereiro para março: passou de 61,6 para 61,7 pontos, o maior nível desde junho de 2010. “O resultado é compatível com o desempenho do setor no Estado.

A indústria gaúcha termina o ano de 2017 otimista.  É o que revela o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI/RS), divulgado nesta sexta-feira (22) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). Em dezembro, o ICEI-RS cresceu pela sexta vez consecutiva, alcançando 60,1 pontos, o melhor resultado para o mês desde 2010.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) cresceu 1,9 ponto entre outubro e novembro, a quinta elevação seguida. Ao atingir 59 pontos, alcançou o maior valor desde março de 2011.

O industrial gaúcho começa o segundo semestre de 2017 com expectativa mais positiva para o futuro. Depois de três quedas consecutivas, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), levantamento divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta terça-feira (25), voltou a subir em julho, 0,5 ponto em relação a junho, e passou para 53,2.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta terça-feira (21), começa a detectar uma nova perspectiva em relação à economia brasileira e às empresas. Após a terceira alta consecutiva, de 3,3 pontos, passando de 55,1 em fevereiro para 58,4, alcançou o maior nível para março desde 2011 (59,4 pontos).

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), levantamento realizado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), voltou a cair em outubro, depois de cinco meses consecutivos de alta: passou de 55,4 pontos em setembro para 53,5. As explicações para esta queda foram as avaliações mais desfavoráveis sobre as condições atuais e menos positivas sobre as expectativas entre os pesquisados. Mesmo com a redução, o ICEI-RS segue a demonstrar confiança, visto que se encontra acima dos 50 pontos.
O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) aumentou 2,7 pontos em setembro, e atingiu 55,4, o maior valor desde março de 2013. O resultado manteve a trajetória de crescimento na expectativa do empresário gaúcho, comprovada pela elevação de 15,9 pontos desde maio.
 
Influenciado pelo indicador que mede as expectativas para os próximos seis meses, que cresceu de 43 para 46,4 pontos, o maior patamar desde fevereiro de 2015, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) aumentou 2,6 pontos na passagem entre abril e maio, alcançando 42,1. É o maior valor em 16 meses, embora ainda continue abaixo de 50, o que indica pessimismo. “Confiança é fundamental na indústria para a retomada do investimento e do crescimento.