AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

Balanço do Meeting do Sesi tem mais de 1.100 participantes

Capacitação
O Sesi-RS promoveu do final de agosto ao começo de novembro eventos para apresentar o e-social e a promoção da saúde gratuitamente em  13 cidades do Estado.  O saldo foram 1.129 participantes que assistiram à palestra de E-Social: Interfaces dos Riscos e Impactos na Gestão da Saúde da Empresa, pelo autor do livro Big Brother Fiscal, Roberto Dias Duarte. Ele lembrou que a ferramenta começa a valer em 2018, e que algumas têm muitos processos para rever. “Mas é um caminho sem volta”, afirmou. “Há 10 milhões de empresas no Brasil, apenas 250 mil são fiscalizadas”, ressaltou. A intenção do e-social é garantir o direito do trabalhador, simplificar as obrigações para reduzir custos e aprimorar a qualidade de informações de seguridade social e das relações do trabalho. Ele entende que deve-se começar com uma sensibilização para mudar os processos. Depois definir responsabilidades e fazer um diagnóstico de conformidades. “O próximo passo é priorizar não conformidades e então, o plano de ação. Para todo este processo o tempo é curto”, opinou. Duarte é sócio e presidente da NTW Contabilidade, a primeira rede brasileira de franquias contábeis.
 
Em quatro cidades (Caxias do Sul, São Leopoldo, Porto Alegre e Santa Cruz do Sul) também foi realizada a palestra do médico do trabalho Rodrigo Demarch, gerente de Qualidade de vida e saúde do Hospital Oswaldo Cruz (SP). Ele afirmou no que a empresa que promove a saúde de seus trabalhadores economiza seis dólares a cada dólar investido, segundo a Harvard Business Review. “Temos que ter responsabilidade com nossa força de trabalho. Pessoas mais saudáveis produzem mais”, destacou. Conforme Demarch, que falou sobre Promoção da Saúde e seus Impactos na Sustentabilidade da Empresa, os custos médico-hospitalares estão crescendo,  alcançando uma inflação de 20% em 2016. “Na próxima década a depressão será a maior causa deste custo”, disse ele. “A promoção da saúde se torna prioritário para o aumento da produtividade”, argumentou.