AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

aumento

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, estranhou, nesta segunda-feira, o anunciado aumento do preço do aço laminado pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Segundo a empresa, será aplicado um reajuste de 12,25 % a partir do próximo dia 27, e de 10,75% no material zincado.

O pedido de aumento da tarifa de ônibus de Porto Alegre em 12% acima do preço atual da passagem de R$ 4,05 vai impactar diretamente na competitividade das empresas. O presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul - FIERGS, Gilberto Porcello Petry, alerta que este aumento projetado para o valor da passagem em R$ 4,5461 está acima da inflação percebida pelo consumidor e trará elevação de custos para as empresas.

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado nesta terça-feira (16) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), voltou a crescer em novembro de 2017. Aumentou 0,6%, feito o ajuste sazonal, na comparação com outubro, quando foi negativo em 0,3%. “O resultado do mês não altera o ritmo bastante gradual da recuperação na indústria gaúcha. Apesar de 2017 marcar o fim da mais longa e profunda recessão no País, o baixo nível da atividade industrial se mantém”, afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

 A indústria de transformação do Rio Grande do Sul terminou o ano de 2017 com aumento disseminado, mas pequeno em suas exportações: 1,5% em relação a 2016, totalizando US$ 12,6 bilhões. “A elevação da demanda externa do Mercosul e dos demais países da América Latina, favorecida pelo cenário internacional positivo, foi fundamental para gerar esse crescimento. O resultado, no entanto, devolve apenas uma pequena fração das perdas sofridas pelo nosso setor nos últimos anos.

O reajuste médio de 33,5% na tarifa da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) concedido essa semana atingirá mais de 9 mil indústrias gaúchas. A estimativa é da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). “O aumento da tarifa deve atrasar ainda mais a recuperação econômica do nosso Estado. Custos maiores representam queda da competitividade, da produção e do emprego”, afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry. Ele ressalta que os impactos sobre o setor produtivo tendem a variar muito conforme o porte e o segmento de atuação das empresas.

A possibilidade de o governo federal elevar, por Medida Provisória, as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins preocupa a indústria do Rio Grande do Sul. “No atual cenário econômico não há espaço para qualquer aumento da tributação”, enfatiza o presidente em exercício da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Ribeiro, lembrando que, nos últimos 19 anos, a participação da carga tributária no Produto Interno Bruto brasileiro aumentou de 26,4%, em 1997, para 31,7%, em 2016. Uma variação de aproximadamente 20% acima do crescimento do PIB.

A contabilização como exportação de uma plataforma de petróleo e gás para uma subsidiária da Petrobras na Holanda e o incremento no setor de tabaco, especialmente com compras da China, contribuíram para o crescimento nas vendas externas da indústria gaúcha em novembro. Em comparação ao mesmo mês de 2015, esta elevação chegou a 40,9% (US$ 1,50 bilhão). Graças a esta plataforma, que rendeu US$ 388,9 milhões, o setor de outros equipamentos de transporte subiu 19.450% no período.
 
Puxadas pelas commodities, que somaram US$ 582 milhões, um crescimento de 16,4%; e pela indústria de transformação, com US$ 1,16 bilhão (+8%), as exportações totais no Rio Grande do Sul alcançaram US$ 1,75 bilhão no último mês, um incremento de 9,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Este resultado foi favorecido pelo maior número de dias úteis em agosto de 2016 (23) na comparação com 2015 (21). “Seguimos enfrentando dificuldades para aumentar nossas vendas no exterior.
As exportações totais do Rio Grande do Sul seguem registrando perdas na comparação com 2015. Em julho, as vendas externas gaúchas totalizaram US$ 1,73 bilhão, o que representa uma queda de 5% em relação ao mesmo mês do ano passado. Na análise por tipos de mercadorias, as commodities somaram US$ 722 milhões (elevação de 10,4%).