AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

exportações

Em encontro com o governador do Vêneto, Lucca Zaia, no Palazzo Balbbi, em Veneza; nesta sexta-feira (21), o governador José Ivo Sartori e o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, buscaram reforçar as relações econômicas, culturais, técnicas e científicas entre o Estado e a Itália. Esta região italiana abriga 5 milhões de habitantes em sete províncias, 600 mil empresas, e possui um Produto Interno Bruto de 150 bilhões de euros.
Ao somarem US$ 1,3 bilhão em setembro, as exportações do Rio Grande do Sul fecharam com uma queda de 37,9% em relação ao mesmo mês de 2015. Considerando apenas a indústria, que alcançou US$ 1,07 bilhão e representou 82,4% do total embarcado pelo Estado, a retração chegou a 33%. O resultado foi bastante influenciado pelo desempenho atípico do ano passado, em função da exportação de uma plataforma de petróleo e gás (P-67) no valor de US$ 394,1 milhões.
 
Puxadas pelas commodities, que somaram US$ 582 milhões, um crescimento de 16,4%; e pela indústria de transformação, com US$ 1,16 bilhão (+8%), as exportações totais no Rio Grande do Sul alcançaram US$ 1,75 bilhão no último mês, um incremento de 9,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Este resultado foi favorecido pelo maior número de dias úteis em agosto de 2016 (23) na comparação com 2015 (21). “Seguimos enfrentando dificuldades para aumentar nossas vendas no exterior.
As exportações totais do Rio Grande do Sul seguem registrando perdas na comparação com 2015. Em julho, as vendas externas gaúchas totalizaram US$ 1,73 bilhão, o que representa uma queda de 5% em relação ao mesmo mês do ano passado. Na análise por tipos de mercadorias, as commodities somaram US$ 722 milhões (elevação de 10,4%).
Puxadas pelas commodities, que exerceram a maior influência positiva sobre o resultado, com crescimento de 31,9%, as exportações do Rio Grande do Sul somaram US$ 1,78 bilhão em maio, acréscimo de 12,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Isso ocorreu em função da elevação da demanda da China e do Paquistão por soja, produto que, sozinho, totalizou US$ 695 milhões, ou 39,1% do total das vendas externas gaúchas.  “Essa participação elevada se deve à sazonalidade típica da safra.
Uma ilha localizada ao sudeste da China, com uma população de 23,32 milhões, renda per capita superior a US$ 22 mil, uma taxa de desemprego inferior a 4% e um crescimento econômico de 0,93% em 2015, Taiwan busca incrementar as relações comerciais com o Brasil e o Estado.
 
 
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), Armando Monteiro, esteve nesta terça-feira em Porto Alegre para participar do Almoço da Exportação 2016. O evento é realizado pela Associação dos Dirigentes de Marketing e Vendas do Brasil (ADVB/RS) em parceria com 18 instituições que representam o segmento de comércio exterior brasileiro – entre elas, a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). 
 
Monteiro abordou temas como o Mercosul que, na sua visão, necessita ser reciclado.
 
Exportar?, uma Questão de Atitude e Planejamento foi o tema da palestra realizada nesta sexta-feira, na Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). O especialista em Relações e Negócios Internacionais Luiz Roberto Oliveira explicou a empresários do setor têxtil e do vestuário, que ainda não iniciaram processos de internacionalização ou o fizeram recentemente, como alcançar o mercado externo e se manter competitivos.
Após dois meses consecutivos de queda, as exportações da indústria de transformação no Rio Grande do Sul voltaram a crescer em fevereiro (3%), na comparação com o mesmo período de 2015. Ao todo, os embarques do setor somaram US$ 749 milhões. Isso se explica, em parte, pelo fato de o mês possuir um dia útil a mais este ano. Mas ao considerar o cálculo da média exportada, ponderada pelo número de dias úteis, os manufaturados registraram queda: -2,4%. Utilizando a mesma métrica, o resultado regional foi pior em relação ao Brasil, onde houve avanço de 5,5%.
 
O ano começa com queda disseminada nas exportações do Rio Grande do Sul. Do total das vendas externas, que alcançaram US$ 811 milhões, menos 16,1% em relação a janeiro de 2015, a indústria de transformação sofreu redução de 12,2% em seu resultado final (que chegou a US$ 749 milhões). “Nossos custos de produção continuam crescendo a uma velocidade intensa.